Capítulo II

Beto era um rapaz simples, cabelo liso, altura mediana e magro. Ele era o mais novo de 3 irmãos e sempre gostou de beber. Bebia porque queria chamar atenção dos irmãos e ser considerado “maduro” por eles. Quando conheceu Kathe, Beto frequentava as aulas, mas não estava muito animado. Começaram a conversar e ele viu em Kathe um incentivo para os estudos, ela assistia a todas as aulas, estudava a tarde toda e aos sábados, enquanto ele passava as tardes dormindo no sofá da sala. 

Kathe era uma moça tímida, com a autoestima muito ruim e ela não conseguia enxergar que havia vários rapazes interessados nela. Ela até que achava uns bem bonitos, mas pensava que eles nunca olhariam para ela. Beto era “feinho” e ela, sem nenhum interesse, começou a ficar amiga dele. Conversavam sobre as matérias e Kathe percebeu que Beto não tinha muita bagagem de estudos, os conhecimentos dele eram bem rasos e ela resolveu ajudar. Apesar do orgulho, Beto aceitou e das tardes de estudo um sentimento começou a aparecer.

Saíam aos finais de semana e Antônia, observando o empenho nos estudos da filha, aceitou esse namoro. Os dois começaram a namorar e Kathe foi ganhando autoconfiança. Ela já era sempre a primeira colocada nos testes que o cursinho fazia. Beto ia bem também, mas não se comparava ao desempenho da namorada. 

Lea estava bem envolvida com a universidade e conversava com a amiga aos finais de semana. Kathe apresentou o namorado a amiga, mas os dois não gostaram um do outro, foi recíproco. Kathe sabia que Beto era possessivo, mas ela não via isso como defeito, via como um excesso de amor, de cuidado e acabou aceitando sair menos com a amiga.

Lea não era boba e sabia que Beto fazia várias chantagens emocionais para que as duas se distanciassem aos poucos. Mas isso não aconteceu. 

Os pais de Beto tiveram o primeiro filho muito jovens e acabaram se separando quando Beto era pequeno. Sua mãe havia engravidado mais três vezes, na esperança de “segurar” o marido. Seu pai e sua mãe tinham brigas horríveis, barracos e escândalos que a vizinhança toda comentava no dia seguinte. O ciúme de Beto, misturado com a inveja de que ele sentia da namorada, fazia com que eles discutissem muito. No início eram discussões, depois de uns meses, xingamentos e depois de mais um tempo: empurrões. Arranhões, beliscões, choro, muito choro… mas Kathe tinha vergonha de dizer isso a Lea porque a melhor amiga, certamente, falaria para ele terminar o namoro. Mas Kathe não queria terminar, ela tinha medo de ficar sozinha, ela tinha medo de ter que conviver com a mãe o tempo todo. Aquele namoro era a sua fuga de casa. Aquela droga de namoro era o que permitia Lea sair e respirar.

As brigas continuavam mais intensas e toda vez que eles brigavam, Kathe ia atrás de Beto e pedia desculpas. Mais brigas, puxões de cabelo, socos no estômago e tapa na cara. Kathe sentiu seu mundo desmoronar depois de sentir a ardência e a vermelhidão na sua pele fina e clara. Pensou em terminar, mas ela não conseguia. Ela preferia ser espancada do que ficar sozinha. Como assim? Eles já eram vistos como casal do cursinho e um término geraria muita fofoca… e se Beto arrumasse outra? E se Beto começasse a namorar com alguém do cursinho. E se ela ficasse sozinha? E o que ela faria aos sábados à noite. Ficaria com a mãe em casa? Não… seria melhor perdoar mais uma vez…
E você? O que você faria no lugar de Kathe? Você já ouviu alguma história parecida com essa?

Cursos em áudio:

1) “Postura após término de namoro”(r$ 10,70)

2) “Aprendendo a ter ‘sorte’ no amor” (r$ 7,10)

3) “A importância da energia” (r$ 9)

Consultorias personalizadas, mandar email para: dominarumhomem@gmail.com 

Anúncios
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Uma resposta a Capítulo II

  1. Gi diz:

    Eu infelizmente já vivi uma história assim, só acabou mesmo, numa briga quando ele me enforcou… =(

    Eh mto ruim quando não nos enxergamos e passamos a aceitar qualquer coisa. Só n morri, pq a mãe dele apareceu e tirou-o de cima de mim, fui na delegacia dá mulher, (q por sinal não ajuda e protege em nada a mulher)…

    Se eu tivesse sido mais madura, olhado as coisas com outros olhos, nada disso teria acontecido. Esse ex fez um inferno depois, ameaçando toda a minha família, me pedindo dinheiro….

    Eh de empurrões e xingamentos p pior…. Meninas se vivem isso, parem e terminem! Eles não mudam, eles não amam vocês, pq se ao menos gostassem, não bateriam em vcs. Eu sei q dói, já passei p isso. Vcs merecem alguém que pensem em ficar com vcs todo o dia, q ligue, mande mensagem, abracem, facam carinho….. Não esse tipo de “homem”!

Fala que eu te escuto!

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s